«O BOM LIVRO É AQUELE QUE SE ABRE COM INTERESSE E SE FECHA COM PROVEITO»

AMOS ALCOTT

Lançamento: John Lennon Nunca Morreu, e outros contos fantásticos, de Catarina Coelho

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

| | |
Lembram-se em Dezembro quando vos falei sobre este livro? (aqui)

Pois bem, há novidades!

O lançamento está marcado e confirmado para dia 13 de Fevereiro, já este Domingo, na Bertrand do Fórum Montijo, pelas 17 horas!

Estão ainda disponíveis alguns excertos dos contos, que vos deixo aqui para poderem espreitar:

(Mas antes disso! Relembro que todas estas informações estão também disponíveis no blogue dedicado à obra (aqui), que também poderão seguir através do Facebook (aqui))

John Lennon Nunca Morreu:
Lembrava-se perfeitamente da primeira vez em que tinha tido contacto com a música de John Lennon e dos Beatles. As memórias estavam muito claras na sua cabeça: conseguia ver os lugares, imaginar as pessoas, recordar as sensações.
Na altura, tinha doze anos e começara a interessar-se a sério pela música. Os seus pais queriam oferecer-lhe uma prenda de aniversário e ele pedira para o levarem a uma loja de CDs. Queria procurar por lá algo que lhe agradasse realmente, algo diferente da música que geralmente passava nas rádios. Tinha bem presente na memória a loja a que o tinham levado: uma loja pequena, como as que havia na altura e que agora já não existiam. Não demorara muito a reparar num CD que estava em destaque: uma antologia da carreira a solo de John Lennon. Tinha pedido para ouvir e, tal como era costume nessas pequenas lojas, a vendedora pusera o CD a tocar numa aparelhagem. Enquanto a senhora passava rapidamente de canção em canção, para que ficasse com uma ideia de como era o CD, ele absorvia os escassos minutos de cada música que lhe era permitido ouvir, não conseguindo deixar de pensar “É isto, é mesmo isto que procurava!”.
Também se recordava do impacto que cada canção tivera em si, quando, já em casa, ouvira todo o CD várias vezes. Não demorara a comprar o seu primeiro álbum dos Beatles e a seguir vieram todos os outros da banda, bem como os álbuns dos membros do grupo, nas suas carreiras a solo. Cada canção fora para ele uma descoberta maravilhosa, uma fonte de inspiração, um refúgio, uma companhia e, por vezes, até um consolo. A música dos Beatles tinha-o marcado como nenhuma outra alguma vez fora capaz de o fazer.

A troca:
Quando fecho os olhos e me concentro, a minha mente oferece-me um presente de várias imagens, as quais ficaram nela gravadas de tal forma que é impossível pensar que um dia se desvanecerão. São quadros vivos, cheios de movimento e sons, como se eu estivesse novamente a viver aqueles momentos da minha infância. Neles, vejo a minha irmã gémea a correr ao meu lado, num dia de Primavera, avançando em direcção ao coração da floresta. Os cabelos cor de fogo soltos, acariciados pela brisa, o rosto corado da corrida, o vestido leve, que usávamos para os
nossos passeios na floresta, esvoaçando à sua volta. Por cima de nós, os ramos floridos das robustas árvores, que o sol suave fazia brilhar e de onde desciam os sons das aves e dos esquilos. Também a vejo junto ao rio, observando, com os seus olhos pensativos, as águas calmas, espelho da imensidão que nos rodeava, e deitada nos tapetes de flores, sentindo o seu aroma.
Eu e Stella tivemos a sorte de crescer junto à floresta e partilhar com ela as belezas da Natureza. O nosso pai era dono de uma imensidão de terras e nós vivíamos naquela que incluía aquele tesouro de árvores, flores, plantas e animais. A nossa casa situava-se na orla do mesmo.
Até aos dezoito anos, a nossa vida foi repleta de paz e, posso dizê-lo com toda a certeza, éramos muito felizes. Na nossa infância, como é costume acontecer entre gémeos, não só tínhamos personalidades muito parecidas, como éramos muito unidas. No entanto, à medida que fomos crescendo, as diferenças entre nós foram aumentando. Stella tornou-se uma jovem silenciosa, fechada no seu próprio mundo, ao qual nem eu tinha grande acesso, mas via-se nos seus olhos e nas suas expressões que se sentia bem consigo própria e com a sua vida.
Pouco depois de completarmos dezoito anos, porém, houve um acontecimento que mudou tudo para sempre.


O Sacrifício:
Faz parte da tradição do meu povo contar histórias. Lendas sobre a nossa vinda para aqui, acontecimentos que tiveram lugar quando já estávamos nesta terra e tantas outras histórias que fazem brilhar os olhos dos mais pequenos e arrancam sorrisos aos anciãos, à noite, em volta das lareiras. Eu nunca tive muito jeito para fazer o papel de contadora. No entanto, há uma história dentro de mim que, sinto, chegou a altura de sair, abrir as asas e voar, como uma ave que passou muito tempo em cativeiro. Durante vários anos, escondi esta história no interior de mim mesma. Agora, penso, já não faz sentido e, se há uma história que julgo que conseguirei contar, é esta, uma história sobre a minha família.
Tudo se passou há muito tempo, quando eu era jovem. No entanto, lembro-me do dia em que tudo começou, como se estivesse a ver os sítios e os acontecimentos a desenrolarem-se perante os meus olhos. Estávamos no começo da Primavera e os campos à volta da fortaleza resplandeciam em toda a sua beleza, verdes e brilhantes ao suave sol primaveril. Um pouco mais longe, as árvores do bosque tinham-se enchido de delicadas flores brancas. Eu encontrava-me numa das torres da fortaleza, um dos meus locais preferidos. Dali era possível ver tudo o que me rodeava. Estava a coser, mas, de vez em quando, fazia uma pausa no meu trabalho e observava a paisagem. Foi numa dessas paragens que o vi pela primeira vez, acompanhado por dois dos homens do meu pai, que era o senhor daqueles domínios. Caminhavam na direcção da fortaleza. Questionei-me quem seria e por que razão os guardas, apesar de não o trazerem preso, se mantinham bem perto dele, como se se sentissem desconfiados. Não demoraria muito a descobrir. Nessa noite, fiquei a saber as respostas a estas perguntas.

E nada mais importa:
O ténue luar dessa noite iluminava a estação de comboios quando ela chegou e se dirigiu às máquinas onde se compravam os bilhetes. A jovem olhou para cima e, durante uns momentos, fixou a lua com os seus olhos melancólicos. Esse mesmo olhar perdido dispersou-se em seguida pelo elevado número de pessoas que esperavam impacientemente o último comboio, o qual partiria dali a vinte minutos, à meia-noite. Suspirou profundamente, comprou o bilhete e encaminhou-se para um canto solitário da estação, onde se sentou e se prontificou a esperar. Não tinha pressa. Não havia nada à sua espera em casa. Nem lá nem em qualquer outro lugar.
Os mesmos olhos que há momentos tinham fixado a lua pousavam agora, com um brilho triste, no traçado dos carris, e, na realidade, não observavam nada, estavam virados para dentro, contemplando somente a angústia interior. O que estava ela a fazer ali? O que ia fazer para casa? Tudo parecia tão sem sentido… Já não sabia há quanto tempo se arrastava pelo mundo sem saber porquê nem para quê. Arrastava-se simplesmente, sobrevivia à passagem
dos dias, como se estes fossem fardos pesados que tinha de carregar… Não eram raras as ocasiões em que não aguentava mais a opressão dentro do seu peito, o frio interior, como se dentro dela estivesse permanentemente a nevar.
Estava perdida neste labirinto de pensamentos, quando se apercebeu de que as pessoas que estavam mais perto dela se moviam apressadamente para longe dali. Ergueu a cabeça e viu caminhar para junto de si um homem, com roupas velhas, cabelo comprido e emaranhado, o rosto e as mãos sujas. Transportava um cesto de verga muito usado. No primeiro instante, sentiu um ligeiro receio.

Boas leituras!

1 Páginas:

Patrícia disse...

A futura revista "Intervenção" é o reflexo do pensamento de seis jovens indignados com o panorama da sociedade.
A revista parte de uma iniciativa que tem por objectivo uma crítica àquilo que vemos mas que nos passa completamente despercebido.
Desta revista surge um blogue "Realidade Paradoxal" : realparadoxal.blogspot.com
Gostaríamos que comentasse o nosso blogue e se acha que o nosso projecto é de facto interessante, que o divulgasse.

Desde já um muito obrigado

Enviar um comentário